RESUMOS - CADERNO v.08, nº 4 Volta para o índice de cadernos

ARTIGOS 1, 2, 3, 4, 5, 6, e 7


1. Dificuldades para a realização da sucessão: um estudo em empresas familiares de pequeno porte

Artigo - ADMG

Adelino De Bortoli Neto
Professor Doutor da área de Administração Geral da FEA/USP e coordenador de projetos da FIA.

Armando Lourenzo Moreira Jr.
Mestre em Administração de Empresas pela FEA/USP.  Professor da Universidade Anhembi-Morumbi e da FIA/FEA/USP e consultor na área de Sucessão Empresarial e Profissionalização para Empresas Familiares
.

Resumo

O presente artigo trata do tema empresas familiares e seus programas de sucessão. O objetivo básico é a investigação das dificuldades de realização da sucessão. As empresas familiares, em especial as de pequeno porte, ocupam um lugar de destaque no contexto mundial dos negócios, o que pode ser explicado, em princípio, pela sua elevada participação nesse universo de empresas.

As principais dificuldades na gestão empresarial desse tipo de organização referem-se à perpetuação desta e envolvem problemas como a realização da transferência de poder de uma geração para outra, obstáculos para o desenvolvimento do processo de profissionalização e conflitos entre os familiares.

Foi efetuado um levantamento por meio de uma pesquisa qualitativa, com entrevistas pessoais orientadas por um instrumento estruturado. Os respondentes eram participantes de empresas familiares na qualidade de sucessores e fundadores.

Concluiu-se o artigo com a apresentação das dificuldades relacionadas à sucessão, destacando-se a falta de planejamento do processo, a incompatibilidade da visão dos sucessores com a dos fundadores em relação à estratégia da empresa, e a centralização do poder pelo fundador.


2. Competências ou Cargos: uma análise das tendências das bases para o instrumental de Recursos HumanosTopo da página

Artigo - RH

Lindolfo Galvão de Albuquerque
Professor Titular da área de Recursos Humanos do
Departamento de Administração da FEA/USP.

Patricia Morilha de Oliveira
Graduanda em Administração de Empresas pela FEA/USP e
bolsista de iniciação científica pelo CNPQ.

Resumo

O presente trabalho foi baseado, em parte, nos resultados da Pesquisa RH 2010 (Albuquerque e Fischer, 2000), que mostra a Gestão por Competências com uma forte tendência à Gestão de Pessoas para os próximos 10 anos.

Fundamentado em levantamento bibliográfico e nos resultados da pesquisa, o artigo mostra a importância do processo de substituição dos sistemas tradicionais de gestão de pessoas, que têm o cargo como seu elemento base, pelos sistemas baseados nas Competências individuais, apontando as diferenças entre os dois sistemas, os fatores que os favorecem e as principais críticas feitas a cada um deles.


3. A apreensão da cultura e o Não-compartilhamento dos valores cooperativistas em uma cooperativa sediada em Natal/RNTopo da página

Artigo - RH

Ângela de Castro Correia
Professora do curso de Administração e Chefe do Departamento de Ciências da Administração da Universidade Federal de Rondônia – UNIR do Campus de Guajará-Mirim/RO

Kátia Rejane Lima de Moura
Mestranda em Administração do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN
Professora substituta do curso de Psicologia da UFRN do Campus Natal/RN

Resumo

Este artigo tem por objetivo a análise da cultura organizacional de uma cooperativa sediada em Natal/RN. Escolheu-se analisar a cultura organizacional a partir da identificação, junto aos dirigentes e empregados, da percepção e do compartilhamento dos ritos, valores, normas, atitudes, comunicação e relacionamento interpessoal, política de recursos humanos, processo decisório, auto-hetero-avaliação e socialização. A apreensão da cultura da cooperativa foi analisada considerando-se os três níveis descritos por Edgar Schein: nível dos artefatos visíveis, nível dos valores que governam o comportamento das pessoas e nível dos pressupostos inconscientes. O método que caracteriza esta pesquisa é o estudo de caso, do tipo descritivo-exploratório. As técnicas utilizadas foram a entrevista semi-estruturada, formulário, observação direta e análise documental. A pesquisa ocorreu no primeiro semestre de 2000. Os resultados mostram que os valores cooperativistas não são compartilhados com os empregados, ocorrendo uma distorção do que se entende por cooperativismo. Conclui-se que os três níveis propostos no modelo de Schein são observáveis na organização em estudo.


4. O POSICIONAMENTO GLOBAL DE OFERTASTopo da página

Ensaio - MKT

Braulio Alexandre Contento de Oliveira
Professor da FIA/FEA-USP, Trevisan, FISP e Universidade Anhembi-Morumbi

José Augusto Guagliardi
Professor Titular do Departamento de Administração da FEA/USP

Resumo

Para uma empresa atuar globalmente há necessidade de se definir uma série de políticas. Uma delas refere-se ao posicionamento das suas ofertas nos diferentes mercados em que optar trabalhar.

Este artigo tem por objetivo apresentar estratégias para a realização do posicionamento global de marcas.

O posicionamento por alta tecnologia, alto envolvimento e cultura global apresenta-se como alternativa específica para a difusão de uma percepção global de uma oferta. Porém, as peculiaridades de cada mercado devem ser levadas em consideração, o que é possível com adequados sistemas de informações.


5. A influência do país de origem na percepção do consumidor sobre a  qualidade dos produtosTopo da página

Artigo - MKT

Lúcia de Fátima Martins Guilhoto
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo

Resumo

A expansão do comércio internacional e a multiplicação de empresas que ampliam seus negócios para além das fronteiras de seus países-sede trazem à tona a necessidade de os profissionais de marketing se preocuparem com o desenvolvimento de produtos e com a elaboração de compostos de marketing compatíveis com as necessidades e desejos dos consumidores globais.

Como em um processo de decisão de compra os consumidores nunca possuem à sua disposição a totalidade das informações de que necessitam, suas avaliações acabam sendo influenciadas pelos aspectos do produto que eles podem observar -- entre eles o seu país de origem -- e que lhes fornecerão a base para que eles consigam definir o nível de qualidade do bem que desejam adquirir. Como os efeitos do país de origem sobre a percepção dos consumidores podem ser tanto positivos como negativos, seu estudo é de extrema relevância para que as empresas possam desenvolver seus compostos de marketing de forma a beneficiarem-se da imagem positiva de um país ou procurarem minimizar ou, ao menos, neutralizar os aspectos negativos dessa informação.

Este artigo tem cunho teórico e se preocupa em analisar como os aspectos relacionados ao país de origem dos produtos podem influenciar de maneira decisiva a atitude dos consumidores e como as empresas devem lidar com essa informação.


6. Decidindo com base em informações imprecisasTopo da página

Artigo - MQI

Oscar Pereira Dias Jr.
Doutor em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da USP, Professor Titular da UNIP, Ex-assessor da Secretaria de Educação de São José dos Campos, ex-pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE

Resumo

Este trabalho aborda o problema da tomada de decisão em ambiente onde as informações estão disponíveis apenas numa forma qualitativa ou imprecisa. É apresentado um software que resolve os problemas de ordenação e seleção de alternativas sob múltiplos critérios. O algoritmo utilizado pelo software permite que os parâmetros do modelo matemático sejam de natureza numérica ou qualitativa e fornecidos por múltiplos avaliadores (juízes). O trabalho descreve as características principais do software e apresenta um exemplo de aplicação.


7. Mecanização na Agricultura Brasileira: uma visão prospectivaTopo da página

Artigo - PNEE

Antonio Carlos Lima Nogueira
Mestre em Engenharia Agrícola pela Universidade Estadual de Campinas e mestrando em Administração na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, pesquisador do Programa de Estudos dos Negócios Agroindustriais da FEA-USP, Professor Assistente na Universidade Bandeirante de São Paulo e na Faculdade de Ciências Econômicas de São Paulo da Fundação Álvares Penteado. Atuou por 7 anos como analista de marketing no Banespa, nas áreas de segmentação de clientes e database marketing.

Resumo

Este estudo tem por objetivo analisar as correlações entre a frota de tratores em uso de cada país e os indicadores de desenvolvimento econômico, produção de cereais e demografia, para a elaboração de um modelo de regressão que permita prever a evolução da variável dependente no Brasil. Por meio da análise de correlação múltipla de uma amostra de 136 países com dados de 1999, verificou-se significativa correlação positiva dessa variável com o PIB, renda per capita, produção e área colhida de cereais e população urbana, com coeficientes de correlação variando de 0,48 a 0,77. Por outro lado, foi encontrada fraca correlação positiva com a população rural e com a população economicamente ativa na agropecuária. Um modelo de regressão linear múltipla foi calculado com o PIB e a área colhida de cereais como variáveis independentes, apresentando poder de previsão aceitável estatisticamente. Foram elaborados cenários com valores estimados das variáveis explicativas e aplicados ao modelo para prever o valor da frota de tratores. Pelo modelo de regressão obtido, estima-se que o Brasil precisa de crescimentos anuais médios de 2%, 4% e 6% no PIB e na área colhida de cereais por 10 anos para possuir frotas de tratores equivalentes às encontradas em 1999 no Chile, na China e na Espanha, respectivamente. Em cada caso, as variações na frota de tratores seriam de 28,1%, 53,8% e 84,0%.